Carregada de bons valores

Foto: @donatelo.eco

Foto: @donatelo.eco

Do sonho de produzir peças sustentáveis, de forma ética e a partir da mão de obra local nasceu a Donatelo Eco.

A ordem da casa é só é bonito se for sustentável. Inserida nesse universo da sustentabilidade há algum tempo, para Marina Sartori, fundadora da marca, não fazia sentido criar algo fora desses princípios que, segundo a própria, regem a sua vida.

Com um clima bem tropical, a Donatelo Eco é uma marca de bolsas e acessórios com um ar bem artesanal, justamente o que conquistou nossos corações. Sua produção segue um ritmo mais slow, dando tempo à criatividade e possibilitando uma busca constante por novos materiais, trazendo sempre o cuidado com o planeta como fator principal.

Foto: @donatelo.eco

Foto: @donatelo.eco

Mas além do meio-ambiente, Marina ressalta sua preocupação com toda a cadeia produtiva, já que para ela sustentabilidade e ética caminham de mãos dadas. Conversamos com a fundadora da marca e dividimos aqui com vocês mais sobre seus valores e sonhos.

ModaModifica: Como começou e de onde surgiu o interesse em trabalhar com essa "nova" moda? 
Marina: Eu já trabalho com moda sustentável há um bom tempo com outros projetos. Junto com uma sócia, tenho um site de moda voltado para sustentabilidade (Moda que Rima) e também já criei outra marca envolvendo o reaproveitamento de peças vintage (Adubô). Pra mim não fazia sentido criar algo fora desses princípios. Eles regem a minha vida.

MM: Como, e de quanto em quanto tempo, são desenvolvidas as coleções? 
M: Eu não trabalho com mudanças de coleção. O que faço é acrescentar peças, o que acontece de maneira bem espontânea, conforme a minha criatividade mesmo. Por ser uma marca pequena, me permito fazer testes sempre e criar conforme minha vontade. Gosto sempre de trazer coisas novas com materiais que já temos, evitando ao máximo o descarte. 

MM: Quais os principais materiais usados pela marca?
M: O vime orgânico está presente em grande parte das peças. Utilizamos também sisal natural, fios de malha descartados pela indústria têxtil, tecidos naturais (linho e algodão cru), alça de corda produzida com garrafas PET recicladas, tecidos "sobras" da indústria têxtil (da Farm inclusive) e restos de madeira (nas bolsas e nos colares).

MM: Quais são os valores explorados? 
M: A Donatelo Eco nasceu com essa vontade de criar algo bonito e o mais sustentável possível. O produto foi criado após várias pesquisas buscando os materiais menos agressivos e vem sendo adaptado constantemente conforme o nosso próprio crescimento (novas informações, fornecedores novos etc.).
Além de um cuidado com o meio ambiente, nos preocupamos também com toda a cadeia produtiva. Como somos uma marca pequena, conseguimos olhar de perto todo o processo e sabemos quanto cada envolvido ganha. A ideia era fazer um produto sustentável e ético. Na minha opinião não tem como trabalhar com um sem o outro. Valorizar a mão de obra e sobreviver como marca é um desafio com as concorrências desleais que enfrentamos mas é uma escolha sem volta envolvendo princípios fortes que vão além do lucro.

MM: Vocês trazem uma preocupação em incentivar artesãos locais, como é o processo de escolha? 
M: Tivemos muita sorte na escolha dos artesãos. Trabalhamos com um artesão principal que avalia a demanda e, caso precise de ajuda, ele mesmo aumenta seu poder de produção chamando outros artesãos. A produção do vime acontece em Lages/SC. O restante da parte artesanal dos nossos produtos são produzidos por mim,pela minha mãe, que me auxilia no crochê e bordado (que estará presente nas novos modelos) e pelo meu pai, que trabaçha com restos de madeira utilizados nas bolsas e, principalmente, nos colares.

MM: Qual é percepção de vocês sobre o consumo de moda no Brasil? 
M: O mercado de moda sustentável está crescendo, porém ainda é um desafio concorrer com peças produzidas a tão baixo custo. Nós que fabricamos de maneira ética com a mão de obra e com materiais menos nocivos, sabemos que algo não está correto quando um produto é vendido a um preço muito baixo. Conscientizar o/a consumidor/a de fazer melhores escolhas também é um desafio. Mas, com cada vez mais marcas surgindo com princípios que envolvem a moda sustentável, essa conscientização tende a aumentar. 

MM: Qual impacto/mudança vocês querem trazer? 
M: Eu escolhi este caminho pelas minhas convicções e espero que elas incentivem as pessoas a pensarem sobre seus consumos e nas consequências de seus atos. Nós somos responsáveis por incentivar práticas antiéticas e que não respeitam o meio ambiente. É importante mostrar que é possível construir algo lindo de maneira ética e em prol do meio ambiente.

MM: O que te move? 
M: Todo o conceito que envolve a Donatelo me move. Criei ela do meu jeito, com as minhas convicções. Mostrar que há outras formas de consumo e outras formas de produção é meu objetivo. Muitas pessoas podem achar as limitações que regem a moda sustentável um empecilho, mas eu me sinto livre neste mundo pra criar qualquer coisa seguindo os meus princípios.

Adriana ZemelComentário