Matéria-prima: uma paixão nacional

Foto: @joyadaterra

Foto: @joyadaterra

Algo produzido na cidade maravilhosa, não poderia ser outra coisa que não igualmente maravilhoso. Estamos falando da Joya da Terra.

A ordem da casa é criar a partir do natural.

Tudo começou quando, trabalhando em Los Angeles como designer de estampas para uma grande marca internacional, Cynthia Tello, fundadora da Joya da Terra, se deparou com a enorme quantidade de químicos usado pela indústria da moda.

Sua carreira do sonho se transformou então em um pesadelo, como ela mesma conta na página da marca, e a fez ir atrás de uma alternativa. Seu grande objetivo era deixar de lado o sintético e focar na matéria-prima natural. Foi assim que ela conheceu a fibra do côco.

Foto: @joyadaterra

Foto: @joyadaterra

Para desenvolver seu projeto, Cynthia decidiu se mudar para o Brasil, mais precisamente para o Rio de Janeiro, onde, durante um dia de verão, estimasse que 92,5 côcos sejam consumidos por segundo, resultando em 30% do lixo urbano.

Atualmente, a casca do côco acaba sendo queimada ou indo parar em aterros onde leva mais de quinze anos para “se desfazer”. E Cynthia acredita que seu projeto não só oferece um produto feito de matéria-prima reciclada, diminuindo a quantidade de lixo, mas tem um grande potencial econômico, trazendo oportunidade para brasileiros em condição de pobreza, podendo essa ser uma fonte de renda para eles.

Sem dúvida, o côco é um queridinho nacional e com uma missão super positiva, a Joya da Terra tem tudo para virar mais um também. Para saber mais sobre a marca, acesse www.joyadaterra.com.

Adriana ZemelComentário