Quando menos é mais

Foto: Instagram ADA

Foto: Instagram ADA

Tudo aconteceu em duas semanas: seguindo seus ideais e com uma grande vontade de fazer acontecer, nasceu a ADA. 

A ordem da casa é reinventar-se! Trazendo uma moda minimalista, a marca oferece ao seu consumidor a chance de libertar-se das tendências, criando sua própria moda e, priorizando assim o estilo e personalidade de cada um.

Com roupas feitas essencialmente a partir de fibras naturais, a ADA, que se enxerga não como uma marca mas como um conceito de liberdade, traz por trás de suas roupas, uma forma de expressão e de empoderamento feminino. 

Conversamos com a Camila, fundadora da marca ao lado de sua sócia Melina, para entender o que move a ADA. 

Foto: Instagram ADA

Foto: Instagram ADA

Modifica: Como começou e de onde surgiu o interesse em trabalhar com essa "nova" moda? 

amila: A Ada surgiu do querer fazer diferente, não encontrávamos mais peças de roupa para vender que fossem aliadas ao que nós acreditamos como pilares de vida. Com muitas ideias e conhecimento na cabeça, começamos a conversar e colocamos as coisas em prática. A marca mesmo surgiu em uma semana, e depois foi muita pesquisa de fornecedor, modelagem, matéria prima. Cerca de dois meses depois o site estava no ar e a Ada já pertencia ao mundo. 

M: Como, e de quanto em quanto tempo, são desenvolvidas as coleções? 

C: Não produzimos coleções para que não haja incentivo ao consumo desenfreado, pensamos nossa tabela de cores para que as roupas possam ser combinadas entre si de muitas maneiras, assim compra-se menos e aumentam as possibilidades de combinações. A marca tem modelos “prontos,” com shapes e nomes específicos, que podem ser relançados em várias edições. É fabricado uma quantidade limitada, e quando roduto se esgota, ele pode ou não ser relançado e fabricado a partir de novos materiais.

M: Quais os principais materiais usados pela marca?

C: Hoje em dia utilizamos tecidos em grande maioria de composição 100% algodão orgânico, temos também a linha de fibras recicladas e fibras mistas. Recentemente começamos a inserir também a fibra de bambu. odos os tecidos são de fornecedores Brasileiros e fabricados 100% no Brasil.

M: Quais são os valores explorados? E qual mudança querem trazer? 

C: Nossa marca é construída com base no slow fashion, feminismo e veganismo. Acreditamos nas manualidades, no empoderamento feminino e nos direitos dos animais, acreditamos em vestir seus ideais!

M: Qual é percepção de vocês sobre o consumo de moda no Brasil?

 C: O consumo de moda no Brasil é gigantesco, mas a grande parte dos consumidores ainda está acostumado a uma peça de roupa de baixo custo. Isso acontece porque estamos faz muitos anos com um número enorme de marcas do segmento fast fashion oferecendo produtos extremamente baratos. Acreditamos que a cada dia que passa esse cenário muda e evolui, e as pessoas estão cada vez mais interessada em saber o porque de cada preço, quem fez e como fez, ao invés de só falar que produto é caro ou barato. 

M: O que te move? 

: O que move a Ada é a mudança, a esperanç e a criatividade.

Adriana ZemelComentário