A união do linho com a beleza feminina

Foto: Instagram Caroll Falcão

Foto: Instagram Caroll Falcão

Conheço a Caroll já faz algum tempo. Ela é daquelas que está sempre bem-vestida, mas de uma forma natural, sabe? E a marca dela traz isso para suas clientes. 

A ordem da casa é que dure! Com o linho como matéria-prima e essência de sua marca, a Caroll sempre fez roupas para si mesma, e, depois que teve filho, encontrou na moda um maior sentido, fazendo aquilo que ama porém também com tempo para focar em sua nova família. 

Suas peças são leves e femininas, focando na beleza da mulher e suas inúmeras formas. Com um toque clássico e elegante, as peças podem ir de um Sábado despretensioso com a família a um evento noturno, e trazem aquilo que para a criadora da marca é o fundamental: oferecer peças atemporais, de qualidade e que durem por anos nos armários de sua clientela, assim como as peças que Caroll herdou de sua avó e que já tem ao menos uns 40 anos. 

Leia abaixo parte da conversa que tivemos com a Caroll e veja como a criadora e homônima da marca enxerga o mercado atual da moda. 

Foto: Instagram Caroll Falcão

Foto: Instagram Caroll Falcão

Modifica: Como começou e de onde surgiu o interesse em trabalhar com essa "nova" moda? 

Caroll: Quando escolhi o linho como matéria prima foi o fato dele ser uma fibra natural e poder durar muitos anos no armário da cliente. Tenho peças da minha avó que tem pelo menos 40 anos.

M: Como, e de quanto em quanto tempo, são desenvolvidas as coleções? 

C: Não trabalho em cima de coleção. Isso deixa a marca muito engessada e acaba criando uma obrigação de a cada 6 meses ter varias peças novas. A cada 6 meses nascem uns 8 modelos novos. A marca tem dois anos e até hoje reproduzo modelos que nasceram junto com a marca. Só vou mudando a cor. Ou coloco uma manga se for inverno....

M: Quais os principais materiais usados na marca?

C: Linho que não seja chinês. Não trabalho com material vindo de lá!

M: Qual é a sua percepção sobre o consumo de moda no Brasil? 

C: Eita, esse é um longo assunto... se eu for falar aqui a grosso modo, acho que o consumo da moda (e outras coisas), ainda é muito desenfreado. As pessoas preferem comprar por quantidade do que por qualidade. E quando a roupa não presta mais “jogam fora”. Mas jogar fora de onde? Do planeta? O sintético tem dominado as araras. E isso é um perigo. Esse tecido como o plástico demora anos e anos pra se decompor.

M: Qual impacto/mudança você quer trazer? 

C: Consumir menos e com qualidade. Roupas boas de verdade, atemporal e que durem anos dentro do armário 

M: O que te move? 

C: Acho que são dois pontos. O primeiro é que adoraria fazer parte do grupo de pessoas que querem salvar o planeta kkkkk o outro é que Eu amo a beleza feminina, todas as formas. E vê minha clientela linda de linho, é uma sensação maravilhosa 

Adriana ZemelComentário