As tendências para 2019

O mundo fashion está mudando.

Com a velocidade do mundo globalizado, os consumidores das gerações mais novas não querem mais esperar: eles têm fome do novo.

Compram mais e se cansam daquilo que tem mais rapidamente. Porém, sua preocupação em abraçar causas e marcas sustentáveis também cresceu, o que pode parecer meio contraditório, não?

Mas a verdade é que isso está trazendo uma nova mentalidade: a necessidade do ter acesso versus o ser dono.

Pense, por exemplo, em coisas simples do nosso dia-a-dia, como netflix, spotify, bikes compartilhadas, guarda-roupas compartilhados, e por aí vai. O que todos têm em comum? Para começar, não nos pertencem, mas pagamos um aluguel para usa-los. Segundo, estão lá, de fácil acesso para usarmos até nos cansarmos.

Essa troca do obter pelo ter acesso está fazendo com que os consumidores das gerações mais jovens busquem novas formas de consumir, abandonando os canais tradicionais e partindo para novas alternativas, como brechós, guarda-roupa compartilhado, marcas de upcycling, entre outros.

Tais dados fazem parte do último relatório produzido pelas grandes McKinsey e Business of Fashion. E, a partir deles, foram anunciadas as três grandes tendências para o mercado da moda em 2019:

  1. Aumento de marcas entrando no mundo do aluguel, upcycling e revenda;

  2. Aumento da criação de marcas exclusivamente focadas no aluguel de roupas;

  3. Armários com cada vez mais roupas alugadas e de segunda-mão em relação à peças novas.

Esse é apenas um dos tópicos tratados pelo relatório, mas você pode encontrar o material completo no site da própria McKinsey (https://www.mckinsey.com/industries/retail/our-insights/the-state-of-fashion-2019-a-year-of-awakening)

Adriana ZemelComentário