O movimento que vem repensando o consumo de cosméticos

1559130302_ee24e5b1-7ba0-4ca9-a467-babd78f26474_636x357.jpg

Já ouviu falar no #nobuy?

Seguindo os passos da indústria fashion, o No Buy é um novo movimento criado pela indústria de cosméticos que incentiva as pessoas a comprarem menos.

Com um grande foco em inovação, a indústria da beleza nos apresenta basicamente todas as semanas com novos produtinhos “must-have.”

Além disso, seus players entenderam que se antes o consumidor estava apenas focado no produto, agora a experiência vale muito mais.

As redes sociais e as influenciadoras ajudaram a revolucionar tal indústria e o unboxing se tornou um dos principais canais de comunicação do mercado de beleza.

Porém, a crescente preocupação com o meio-ambiente e sustentabilidade vem trazendo o crescimento de um movimento que anda em sentido contrário. Se antes incentivava as pessoas a comprarem e testarem todos os últimos lançamentos, agora questiona a necessidade de ter todos aqueles mil produtos parados na bancada de nossos banheiros.

Blogueiras de beleza como Serein Wu, Hannah Louise Poston e Samantha Ravndahl vem ressaltando cada vez mais a importância da qualidade ao invés da quantidade, questão igualmente reforçada pelo movimento do consumo consciente na moda.

Um grande problema é a quantidade de lixo gerada por uma “experiência.” O Zero Waste Week reportou que a indústria de beleza produz mais de 120 bilhões de embalagens todos os anos.

Foi esse um dos motivos que fez Samantha não receber mais produtos de graça. Em um vídeo publicado em seu canal de youtube, a influenciadora contou que estava recebendo semanalmente entre vinte e trinta pacotes de marcas de beleza. Não só era impossível usar tudo, mas a quantidade de lixo gerada era imensa.

Isso sem falar na poluição que tais cosméticos geram ao meio-ambiente com ingredientes sintéticos.

Assim como na moda a ideia não é parar de comprar, mas repensar a nossa relação e necessidade de consumo.

Adriana ZemelComentário