Sustentável sim, fast-fashion também!

Captura de Tela 2018-08-16 às 17.40.46.png

Queridinha de várias famosas, a Reformation é uma marca super cool! 

Baseada em Los Angeles, ela segue uma estratégia bem diferente das marcas sustentáveis que temos visto, agindo um tanto quanto fast-fashion, o que pode fazer com que muitos duvidem de sua real preocupação com o meio-ambiente. 

Mas, para Yael Aflalo, fundadora e CEO da marca, "ser fast-fashion não significa ser algo ruim para o meio-ambiente. Os exemplos que temos é que são de empresas que produzem roupas a partir de materiais ruins, nos fazendo relacionar fast-fashion com produtos que prejudicam o meio-ambiente ou baixa qualidade, que as pessoas compram mais e descartam logo, criando essa cultura do lixo," como contou em entrevista para a Refinery29. 

Captura de Tela 2018-08-16 às 17.40.37.png

Andando em sentido totalmente contrário, a Reformation tem a sustentabilidade como base de seu negócio. E a questão com o fast-fashion está muito mais ligada ao fato de Aflalo acreditar que de nada adianta pensar numa peça dez meses antes de lançar, já que vai ser difícil saber o que seu consumidor de fato quer. 

Apesar de reconhecer ainda não ser totalmente sustentável, a marca, que usa principalmente tecidos ecológicos e reciclados, tem um programa chamado RefScale em que calcula sua emissão de carbono, conseguindo saber assim exatamente onde deve investir em melhorias. 

Mas não é apenas com o meio-ambiente que a marca está preocupada, e também com todos os envolvidos na produção de suas roupas. Pensando nisso, construiu sua própria fábrica - eco-friendly, podendo garantir o bem-estar de seus funcionários. 

Outra coisa super legal da Reformation é que ao comprar uma de suas peças, você recebe a sua RefScale, sabendo exatamente quanto aquela peça que escolheu economizou em água, produção lixo e CO2. 

Se você ainda não conhece a marca, corre logo pro site deles: https://www.thereformation.com

Claro, depois volta aqui pra me contar o que achou! 

 

                                                                                               ________________

                                                        Sustainable yes, fast-fashion as well 

Loved by many celebs, Reformation is a really cool brand! 

Based in LA, it follows a completely different strategy from the sustainable brands we have been seeing, incorporating a certain fast-fashion strategy, what could bring a lot of doubts about its actual concern with the environment. 

But, to Yael Aflalo, Reformation's funder and CEO, "fast-fashion does not mean that it’s worse for the environment. The only examples that we have of fast-fashion are cheap companies that make clothing out of very bad materials, so we equate fast-fashion with bad for the environment or low quality, that people buy more of and throw away, creating this disposable culture,” as she told Refinery29. 

Walking on completely different direction, Reformation has sustainability as its core. And the fast-fashion mentality is much more related to Aflalo's believe that thinking on a garment ten months before launching doesn't work, since it will be hard to know what your customer really wants. 

Although recognizing not being totally sustainable yet, the brand, that uses mainly eco and recicle fabrics, has a program called RefScale where calculates its greenhouse gas production, being able to learn exactly the areas needing to be improved. 

But is not only with the environment that Reformation shows concern, but also with everyone involved on their clothes' production. With that in mind, it built its own factory - eco-friendly, guaranteeing the well-being of its employees. 

Something else that is super nice about the brand is that when purchasing any of its products, you receive your RefScale, getting to know exactly how much that piece you chose saved in water, waste, and CO2. 

If you're not familiar with Reformation yet, run to their website: https://www.thereformation.com. 

Don't forget to come back here afterwards to let me know how you liked it. 

 

 

 

 

 

Adriana ZemelComentário